jusbrasil.com.br
21 de Agosto de 2017

O Estado laico e a Bancada Evangélica

As problemáticas dentro dessa controvérsia

Bruna Schoembakla, Estudante de Direito
Publicado por Bruna Schoembakla
há 2 anos

O Estado laico e a bancada evanglica

Ao ser eleito para presidir a Câmara dos Deputados, uma das primeiras declarações do deputado Eduardo Cunha (PMDB) que pude ler foi que não colocaria em pauta questões referentes à ''gays, maconheiros e abortistas''.

Nesse sentido, nossa Constituição é bem clara ao citar em seu Art. 19:

"Art. 19. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

I - estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público".

Afinal o que há de errado nisso tudo? A pauta principal não esta em discutir religião, mas, com toda essa força evangélica, como ficarão garantidos os direitos dos cidadãos citados como ''gays, abortistas e maconheiros'?

O número de mulheres que morrem todos os anos por causa do aborto é absurdo, a guerra contra as drogas é ineficaz, gerando milhões de mortes. A população LGBT sofre preconceitos, agressões e restrições de direitos que os impedem de ter uma relação amorosa e uma família as quais eles são tão dignos quanto os héteros. Toda essa problemática continua avançando, devido aos valores cristãos que o Presidente da Câmara defende.

Mesmo que a grosso modo vizem um bem comum, as interferências religiosas são restritivas e redutoras de direitos. Dentro de um Estado laico, deve-se respeitar as crenças e religiões (ou até mesmo a falta dela) para que possam ocorrer significativos avanços. Como é possível a existência de uma bancada evangélica nesse contexto? Como afirmar que vivemos em um país democrático desse jeito? Acredito que, independente das opiniões pessoais de cada um, não devemos deixar que isso venha a interferir no direito de outrem.

Nossa atual legislação não impede a eleição de ativistas religiosos, mesmo colocando em risco a laicidade do Estado, principalmente pelo fato de estes ativistas terem suas campanhas financiadas pela igreja.

Infelizmente, todas essas questões vêm enfraquecendo a laicidade do Estado que, se timidamente conseguiu alguns avanços, tem se deparado com a possibilidade real de retrocessos consideráveis.

101 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

ridículo a bancada evangélica mistura seus preceitos religiosos com ei dos homens no congresso nacional a constituição tem q ser respeitada e não a bíblia continuar lendo

Exato, os líderes religiosos que são políticos confundem o parlamento com o salão de suas igrejas, esquecendo que devem legislar/governar para todos, não só para o seu "rebanho". continuar lendo

Exatamente Sandro e Luciano. Desde quando a preservação da família tradicional é legislar/governar para o seu rebanho? Isso é geral, todos nós nascemos de um homem e uma mulher.

Legislar por causa própria é o que fazem os ativistas gays, esses sim legislam somente por um pequeno grupo. continuar lendo

Não esqueça que a ciência é o diabo dos evangélicos. continuar lendo

Pobre josé Neto.

A ciência e a religião andam juntas. A ciência nunca conseguiu contestar nada daquilo que a bíblia já diz há milhares de anos. continuar lendo

Assim como as pessoas misturam o normal do ser humano com suas específicas diferenças.

Nada há em ser Gay, LGBT, ou qualquer outro tipo de relacionamento humano voltado para o sexo/convivência, porém se efetuados dentro dos limites de sua abrangência de forma a não causar espécie aos tradicionais seres humanos, homem e mulher, tão comum e normal a tanto tempo.

O que não se pode admitir e que a exceção seja a regra, e a regra se torne a exceção, enfiada "guela abaixo" do comuns mortais.

Da mesma maneira que um "homem + uma mulher" não devem praticar atos escusos em públicos, nem tampouco se revoltar com os "casais" de semelhantes; assim também os Gays, LGBT's, Evangélicos, católicos e religiosos ou ateus devam respeitar os seus semelhantes da maneira que eles sãos, desde que não exorbitem em seus comportamentos.

Política é política, religião é religião, relações "homo afetivas se pertencem", se estiverem dentro do congresso, câmaras, etc, devem conviver em harmonia com objetivos comuns, e não se sobrepujando ou tripudiando sobre os outros somente por terem valores "de foro íntimo" diferentes.

Nada há de errado em ser diferente ou especial, o errado é obrigar os outros a serem iguais a seus próprios valores.

A "laicidade" é uma desculpa para evitar a desarmonia, pois há sempre uma maioria predominante, que é a que sobressai. Por isso não deve haver uma religião oficial; cada um com suas crença e com seus valores. continuar lendo

Bruna , quais os direitos que os gays querem ? Não conhece nenhum que não seja direitos de todos, inclusive a união homoafetiva. o Aborto , você deve saber como aluna de Direito é crime e imoral . Você pode imaginar se sua mãe quisesse te abortar , vc não estaria aqui hoje , correto? Drogas (maconha) também é crime , não ha em falar em liberação para uso recreativo, estudos indicam que a maconha é e sempre sera a porta de entrada para outras drogas mais pesadas.

Independente de que for os parlamentares , evangélicos, catolicos , umbandistas , pra mim tanto faz, deste que protejam nossas famílias de absurdos que nos fazem engolir por goela abaixo. continuar lendo

A) União Homoafetiva ou Casamento Gay Civil.

Cara, pense nisso como o estado concedendo os mesmos direitos civis ou parante o estado, para cidadãos. Eu não sou contra e entenda da seguinte forma. Não é algo que eu faria. Mas quem sou eu para impedir que outros o façam? Quem sou eu para gritar que aquelas pessoas tem menos direitos e que são menos cidadãs do que eu?

Não me agrada a ideia de tratar pessoas como sub-classe. Todas as vezes em que isso ocorreu, tivemos consequências das mais sérias. Inclusive GENOCÍDIOS.

B) Aborto

Pq não? Não defendo a banalização do aborto. Penso que os países do primeiro mundo encontraram a solução ideal. Aborto permitido até certo período da gestação. Normalmente até a décima terceira semana. Tirando o caso do Reino Unido onde o prazo é até a vigésima quarta semana

C) Maconha

Não nego que legaliza-la de forma ORGANIZADA e PLANEJADA, teria efeito imediato no combate ao crime organizado. Antes os usuários comprando de meios legais do que da mão de traficantes. E sem esse dinheiro, o poder desses bandidos diminuiria bastante. Menos armas, menos subornos, menos soldados recrutados.

O problema é que o Brasil não tem ORGANIZAÇÃO e nem ESTRUTURA pra isso. continuar lendo

Prezado Anderson, nas suas palavras: "deste que protejam nossas famílias de absurdos que nos fazem engolir (...)". O Estado não deve te fazer engolir nada, simplesmente garantir o direito de todos os cidadãos - inclusive os que agem e pensam diferente de você. O que parece é que é muito cômodo eleger alguém que tente usar o assento no Legislativo (e a máquina do Estado) para "fazer-nos engolir" verdades e valores que são ideologicamente atreladas a esta ou aquela religião, porque coincidem com as suas próprias, do que aceitar o duro desafio de tentar conviver com a diferença e exercitar o DEBATE SAUDÁVEL e a TOLERÂNCIA.
Bruna, parabéns pelo texto, ótima e necessária reflexão. continuar lendo

SHOW DE COMENTÁRIO ANDERSON...
é engraçado as pessoas defendendo o direito dos homossexuais, viciados, etc... mas e quanto ao direito dos que têm opinião contrária?
esquecem que todos têm direito a opinar, querem exaltar os "pobres coitados" que não sabem se defender... ok!
quando os gays dominarem o Brasil, será que esse defensores de "frascos e comprimidos" defenderão os que têm opinião contrária (a minoria do futuro)?
cada um opina o que quer, e pensa como quer. desde quando opinar é discriminação? a verdadeira discriminação está nessa opressão, e não não nesses "carrasco" criados pela mídia. continuar lendo

Caro Anderson,
Você entrou em um mérito que eu apenas citei, porém acho excelente o debate, pois já tive pensamentos iguais aos seus. Primeiramente, se você se apaixonar por uma mulher e casar, e essa mesma mulher não possa ter um filho, vocês vão adotar não vão? vocês pode sair com ela na rua sem olhares feios não pode? você já apanhou na rua pela sua opção sexual? você sofre um preconceito dentro da sua casa por gostar de mulheres? Não aceito o argumento de que ser heterossexual é normal, porque opção sexual é pessoal de cada um. Então nesse ponto você não pode cogitar que tenhamos os mesmo direitos. Sou aluna de direito sim, e a faculdade foi um dos principais motivos por eu ter essa visão diferente hoje em dia. Proibir o aborto não diminui a prática, assim como legalizar não aumenta. A questão é, todo ano morrem mulheres que não deixam de abortar por ser penalizado. Realmente é crime, e o erro esta ai, por ser crime elas recorrem a açougueiros, ou então usam da famosa agulha de trico. Se minha mãe resolvesse me abortar, o fato de ser crime, não seria o motivo pelo qual ela não abortaria.
Agora vamos as questões das drogas, primeiramente, falar que é uma entrada para outras drogas é meio arriscado, até porque a pessoa que busca uma sensação como a da maconha, não será a mesma que busca a sensação causada pela cocaína por exemplo, são reações muito divergentes, acredito que isso sua mãe lhe falava, assim como aquela história que o traficante te da duas vezes de graça até você viciar. A hipocrisia tratada referente as drogas é a mesma. Alguém deixa de comprar? alguém fala, não é crime não posso comprar? porém todos os dias morre alguém pro tráfico, não morre? Só quero lhe falar que o fato de ser crime não impede. Eu não uso drogas e nunca abortei, e pode ter certeza, que não é porque a lei proíbe. Porque mesmo se ela permitisse eu não iria fazer. Entende como a problemática vai muito mais além do superficial? continuar lendo

Perdeu-se o conceito do estado laico e com isso, estamos perto de trilhar um caminho perigoso e com consequências terríveis.

Brasil nunca será um país de primeiro mundo. Pois as nações mais modernas, são laicas e promovem políticas de direitos.

O aborto e o casamento gay por exemplo, são legais em vários países. Suíça, Suécia e etc...

E nem por isso, essas nações são ateístas ou/e comunistas. O México tem uma legislação impedindo que religiosos ocupem cargos políticos. E é tradicionalmente católico. continuar lendo

Na verdade as nações de primeiro mundo antes de qualquer discussão não permitem desvios, roubo e propina entre outros vários tipos de crimes que estamos presenciando atualmente e que presenciamos desde sempre.
Então, penso que discussões sobre religião ou laicidade, ainda que respeite o posicionamento dos comentários e do artigo, representam os menores de nossos problemas, para nos tornarmos um país decente. continuar lendo

Jauri, você realmente acha que problemas sociais não influenciam nessas questões que você apontou?
Você acha que não tem nenhum impacto? continuar lendo

Concordo contigo, temos que garantir direitos civis e não condicionar este direito pelos preconceitos pessoais ou pelos preceitos das religiões.
Não podemos deixar que quem grita mais leve a melhor, faz parte da civilidade a conversa e o diálogo. continuar lendo

Sou ateu e não me incomodo com nenhuma religião, apenas penso que se o Congresso é composto por representantes da sociedade (do povo), a parcela dessa representatividade composta de religiosos deve se manter fiel aos seus representados e sustentar contra tudo que eles são contra e a favor de tudo que eles são favorável, são legitimados para tanto. Se todos os representantes fossem homofóbicos, prevaleceria esse entendimento, se todos fossem LGBT, prevaleceriam seus entendimentos, se maioria, vencem, se minoria, perdem, isto sim, é democracia. continuar lendo

Alguém lúcido no debate! continuar lendo

Lugar de defender religião é dentro da Igreja e dentro da casa de cada um. Deputado não é eleito para representar religião, mas para representar cidadãos. Sou contra bancadas gays, bancadas religiosas, bancada de traficantes, bancadas de mulheres, bancadas de pets, bancada ruralista, bancada do presidiário ou do raio que o parta. O Congresso está lá para analisar e discutir leis e projetos em benefício do país e do povo como um todo; e para fiscalizar os atos do Executivo. A maior bancada atual é a corporativa dos parlamentares, que trabalham só visando direitos e benefícios próprios e de seus comparsas. Todos sabem que religião e política são uma mistura horrível e detestável que só tráz retrocessos para a ordem social, subvertendo direitos com preconceitos e radicalismos. Se estou errado dêem uma lida nos livros da história da humanidade e tente localizar um capítulo de barbárie onde a fórmula política + religião não faça parte da motivação genocida. Lembram da Idade Média... Claro que não né, senão não estariam defendendo pastores no Congresso... Acorda povo gado. continuar lendo